Posts de 28 de agosto de 2013

TRÂNSITO LENTO… NUNCA MAIS!

Em 28.08.2013   Arquivado em Uncategorized

Olá antenadíssimas!!!
Tenho algumas amigas que sofrem de prisão de ventre, elas
fazem parte de 30% das mulheres brasileiras que tem suas vidas atrapalhadas por
esse vilão. Gases, inchaço, sensação de peso, dificuldade de concentração, mau
humor, diminuição de libido, sangramento, dor de estômago e cólica se você
sente mais de 3 desses sintomas sinto muito te informar, você também faz parte
dessa porcentagem.
Como as maiorias de nós mulheres só usamos o banheiro de
casa sofremos mais do que os homens, para cada 1 homem 3 mulheres sofrem desse
mal, mas seus problemas acabaram com algumas mudanças na sua rotina você se
livra desse problema rapidinho.
Vamos ver algumas dicas…

Rotina

Não é novidade nenhuma que comer de 3 horas em 3 horas faz bem pro nosso organismo e para o metabolismo e estabelecer um horário específico para ir ao banheiro faz com que o corpo crie uma memória intestinal. O melhor horário para fazer isso é pela manhã ou meia hora depois do almoço ou do jantar. Aí, você resolve dois problemas de uma vez só: evita que a vontade apareça no meio daquela reunião de trabalho e ainda acaba com a preguiça do intestino, que passa a funcionar como relógio.

Fibras
Elas são as protagonistas quando falamos em trânsito intestinal saudável. “Absorvem líquidos e criam um bolo fecal mais encorpado”. Assim, fica mais fácil eliminá-lo. Mas atenção: nada adianta reforçar o consumo dessas benfeitoras e se esquecer de incrementar a ingestão de água o líquido é responsável por amaciar a mistura, caso contrário, o tiro sai pela culatra e a prisão de ventre se agrava. A recomendação é 35 g por dia, o que equivale a seis porções de frutas ou vegetais.

Exercícios
O esforço físico estimula a atividade do órgão. “Mexer o corpo garante um desempenho melhor de toda musculatura abdominal e perineal, que participa do processo evacuatório.”

Agora antenadíssimas, se você já tentou de tudo e continua sofrendo está na hora de procurar um médico para que esse problema seja investigado e tratado como deve.

Fonte: Revista Corpo a Corpo